À surdina as rosas florescem
sem um jardineiro ao seu lado.
Silenciosamente elas crescem,
vingando-se da falta de cuidado.

Sem ruído brotam seus espinhos,
E sem aviso prévio, num repente,
Em trincheiras, intricados ninhos,
o vergel se alarga inesperadamente.

E num roldão, vai comendo o mato,
desgovernado emaranhado de flores,
Que despojado de carinho ou trato,
pinta o agreste de imprevistas cores.

Jardim improvisado, ambulante,
Que mesmo desprovido de pés,
vai ganhando estrada, a seu talante,
e não poupa nem os igarapés…

Rosemarie Schossig Torres

Anúncios